Perturbação do sono comum entre sobreviventes de câncer ginecológico

Uma nova pesquisa descobriu que mais da metade das sobreviventes do câncer ginecológico podem ter problemas para dormir.

“Os médicos precisam abordar a presença de distúrbios do sono (DS) entre seus sobreviventes”, e fatores de risco modificáveis, por exemplo, ondas de calor, urgência urinária e queixas intestinais, devem ser tratados, Dr. Shannon Westin da Universidade do Texas MD Anderson O Cancer Center em Houston disse à Reuters Health por e-mail.

A Dra. Westin e sua equipe apresentaram seus resultados em 9 de março na reunião anual da Sociedade de Oncologia Ginecológica em Los Angeles.

O SD tem um grande impacto na qualidade de vida, funcionamento do trabalho, saúde econômica e funcionamento psicossocial. Além disso, pode ter um impacto negativo na saúde e no sistema imunológico de um paciente, disseram os pesquisadores.

A pesquisa com 1.018 pacientes descobriu que 557, ou 55%, tinham problemas para dormir – e 64% deles disseram que a perda de sono começou durante ou após o tratamento do câncer.

Alguns fatores podem coincidir com o risco de perda de sono, descobriu o estudo. Pacientes mais jovens e pacientes com câncer de ovário e cervical tinham maior probabilidade de dormir mal.
Quando os pesquisadores analisaram dados de mais de uma variável, eles encontraram outros fatores ligados a problemas de sono, incluindo ondas de calor, problemas intestinais e da bexiga e tratamento anterior com quimioterapia, radiação ou ambos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *